Barbara Arranz Bárbara Arranz​ é biomédica e atualmente vive em Madri, capital da Espanha. Mulher, mãe e ativista, é fundadora da LinhaCanabica.com, iniciativa com foco em pesquisa e desenvolvimento de produtos veganos com infusão de cannabis. Bárbara começou a pesquisa a cannabis há 11 anos, quando seu filho Raul nasceu e foi diagnosticado com autismo. Um de seus maiores objetivos é desmistificar a maconha e levar à cannabis até a casa das pessoas.

Cannabis e hipertensão: estudo aponta que canabinóides atuam no controle da pressão alta

4 minutos de leitura

cananbis-e-hipertensao

Como a cannabis pode ajudar pacientes com hipertensão? Quais as relações entre maconha e o controle da pressão alta? Descubra neste artigo!

A pressão alta, também chamada de hipertensão, é uma das doenças mais comuns e ao mesmo tempo mais perigosas do Brasil. Estima-se que ela atinja cerca de 30 milhões de brasileiros, sendo particularmente perigosa para a população mais idosa.

De acordo com a Socesp (Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo), a hipertensão atinge cerca de 60% da população idosa, sendo responsável ou particularmente responsável por mais de 200 mil mortes por ano no país!

Estar sempre atento à pressão é muito importante, assim como manter hábitos saudáveis e dosar com atenção a quantidade de sal ingerida diariamente. A Socesp recomenda que se consuma no máximo 5 gramas de sal por dia, o que equivale a uma colher de chá. É fundamental ainda limitar o consumo de alimentos processados e temperos industrializados, produtos com altíssima quantidade de sal em sua composição. 

Além de manter hábitos saudáveis, controlar o sal e fazer acompanhamento médico constante, há estudos que sugerem tratamentos alternativos para ajudar a controlar a hipertensão, um deles envolvendo o uso da cannabis. Como isso funciona? Entenda a seguir!

Cannabis e hipertensão: como a planta pode ajudar?

Nosso organismo possui um sistema chamado Sistema Endocanabinóide. Ele é formado por receptores do tipo CB1 e CB2, que estão espalhados pelo corpo e reagem aos canabinoides – substâncias como o CBD (canabidiol), abundantes na maconha. Essa ativação vem sendo alvo de diversos estudos ao redor do mundo, especialmente nos últimos anos. Algumas dessas pesquisas buscam compreender justamente a relação entre os receptores e a pressão arterial.

Por exemplo, um estudo intitulado “Canabinóides na hipertensão arterial, pulmonar e portal – mecanismos de ação e significado terapêutico potencial”, publicado em 2018 na British Pharmacological Society, apontou que o Sistema Endocanabinóide tem atuação no controle da hipertensão.

A pesquisa foi realizada em animais, que ingeriram canabinóides não-psicóticos. O estudo chegou à conclusão que “os canabinóides exercem efeitos pleiotrópicos no sistema cardiovascular por meio de vários mecanismos centrais e periféricos, tanto na normotensão quanto na hipertensão”.

Além disso, os cientistas relataram que a ativação dos receptores CB1 periféricos levou principalmente a uma diminuição da pressão arterial. Os resultados variaram de acordo com o tipo de hipertensão, idade, sexo e canabinóides usados.

O próximo passo da pesquisa é se aprofundar nos efeitos dos canabinóides não psicóticos, como o CBD, em receptores periféricos restritos e sua interação com alimentos ou medicamentos anti-hipertensivos. Em seguida, conduzir estudos em humanos, o que representará uma grande virada nesse campo de pesquisa, pois mostrará com maior precisão os efeitos dos canabinóides no organismo e no controle da pressão.

Em todo caso, avaliar que as substâncias presentes na cannabis estão diretamente ligadas à diminuição da pressão arterial graças à ação dos receptores do Sistema Endocanabinóide é um grande passo.

Em outro estudo interessante, publicado em 2016, não foram encontradas evidências que relacionem o uso da cannabis à hipertensão, afastando o receio de que a planta pudesse piorar o quadro de hipertensão.

A pesquisa intitulada “Uso de cannabis e níveis de pressão arterial: Pesquisa Nacional de Exame de Saúde e Nutrição dos Estados Unidos” não observou nenhuma associação entre o uso recorrente da cannabis e quadros de hipertensão ou pré-hipertensão, mesmo em pacientes que consomem regularmente a planta. 

É claro que muitos outros estudos precisam ser conduzidos, sobretudo em humanos. Mas os primeiros resultados têm sido animadores e promissores, mostrando que a cannabis é uma planta muito mais complexa do que se poderia imaginar e que as relações entre cannabis e hipertensão devem sim ser exploradas pela ciência.

Leia também: Uso da cannabis para tratar a epilepsia

O que causa a hipertensão?

 Para circular por todo o organismo levando oxigênio, o sangue que é bombeado a partir do coração exerce uma força natural contra as paredes internas das artérias. Nesse processo, os vasos sanguíneos apresentam uma certa resistência natural a essa passagem. Essa disputa é que determina a pressão arterial.

O sal nesse contexto pode contribuir para dificultar ainda mais tal pressão para a passagem do sangue, por causa de uma característica química do cloreto de sódio (sal de cozinha). É por isso que, para pessoas que têm predisposição à pressão alta, essa substância aparentemente inocente é na verdade um veneno.

A pressão arterial oscila bastante ao longo do dia, e isso é normal. Em situações de repouso ela é mais baixa e em situações de estresse pode aumentar. O que configura a hipertensão é a constatação da pressão igual ou superior a 14 por 9 na maior parte do dia, o que indica que o indivíduo enfrenta um desgaste maior do coração e dos vasos sanguíneos no bombeamento e passagem do sangue. Atualmente, muitos médicos já consideram a pressão 13 por 8 como indício de que algo não está bem.

📌 O ideal é que a média da pressão arterial de um indivíduo em situação normal seja de 12 por 8, considerado um padrão internacional. 

Quais os impactos da pressão alta?

A hipertensão pode ter muitos efeitos danosos, sendo o infarto o pior deles. Essa condição acontece quando há um desgaste muito forte do coração e das artérias na tentativa de bombear o sangue e receber a oxigenação necessária.

Outra doença grave que pode ser ocasionada pela hipertensão é o AVC (Acidente Vascular Cerebral). Nesse quadro, a pressão alta pode fazer com que as artérias da região da cabeça não consigam se dilatar, fazendo-as ficar suscetíveis a entupimentos e levando ao AVC.

Por fim, a hipertensão pode levar à insuficiência renal, pois o quadro pode evoluir a ponto de os rins não conseguirem filtrar o sangue da maneira como deveriam.

Por todos esses motivos, controlar a pressão, fazer acompanhamento médico e, se for o caso, fazer uso de medicamentos são questões cruciais para a saúde. Se há predisposição à hipertensão na família, é importante fazer acompanhamento médico mesmo sem sintomas – isso porque há questões de hereditariedade na apresentação da doença.

Além dessa questão genética, a obesidade, o sedentarismo, o tabagismo, o excesso de consumo de sal e de álcool e a exposição constante ao estresse são questões apontadas como fatores que podem acarretar na hipertensão.

Gostou do artigo? Fique de olho no blog da Linha Canábica da Bá! Não esqueça de conhecer a HempVegan, cosméticos naturais e veganos com efeitos terapêuticos.


Conheça a ACOM – Associação Canábica Organizada por Mulheres

acom-proposito
Barbara Arranz Bárbara Arranz​ é biomédica e atualmente vive em Madri, capital da Espanha. Mulher, mãe e ativista, é fundadora da LinhaCanabica.com, iniciativa com foco em pesquisa e desenvolvimento de produtos veganos com infusão de cannabis. Bárbara começou a pesquisa a cannabis há 11 anos, quando seu filho Raul nasceu e foi diagnosticado com autismo. Um de seus maiores objetivos é desmistificar a maconha e levar à cannabis até a casa das pessoas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.