Barbara Arranz Bárbara Arranz​ é biomédica e atualmente vive em Madri, capital da Espanha. Mulher, mãe e ativista, é fundadora da LinhaCanabica.com, iniciativa com foco em pesquisa e desenvolvimento de produtos veganos com infusão de cannabis. Bárbara começou a pesquisa a cannabis há 11 anos, quando seu filho Raul nasceu e foi diagnosticado com autismo. Um de seus maiores objetivos é desmistificar a maconha e levar à cannabis até a casa das pessoas.

Pacientes com Parkinson – relatos de tratamento com óleo de cannabis

3 minutos de leitura

Recentemente, escrevi sobre como a cannabis e suas propriedades podem ser muito úteis para ajudar pacientes diagnosticados com Parkinson a lidar melhor com a doença, amenizar os sintomas e melhorar sua qualidade de vida. 

Hoje resolvi reunir os depoimentos de familiares de dois pacientes com Parkinson tratados com óleo de Cannabis para mostrar na prática como o óleo de cannabis full Spectrum realmente pode ser um divisor de águas para lidar com essa doença que, infelizmente, ainda não tem cura.

Os relatos foram colhidos na primeira semana de junho. Tratam-se de casos recentes de pacientes que fazem uso do óleo há alguns meses. Confira as histórias.

“Em casa todo mundo ficou chocado com os efeitos do óleo”: a impressionante melhora de seu Dorival

Seu Dorival tem 78 anos e foi diagnosticado com Parkinson há cerca de seis anos. Como acontece com os pacientes que sofrem dessa enfermidade, os sintomas começaram leves mas foram piorando gradativamente a ponto de a doença deixá-lo debilitado.

Quem conta o relato é sua neta, Ana Beatriz:

“É um salto que acontece [na doença] e debilita muito. E aí ele começou a ficar com muita tremedeira a ponto de não conseguir comer, ficar muito agressivo, não dormir, ter perda de memória e não falar direito”, conta.

A jovem explica que seu Dorival faz acompanhamento com uma junta de médicos, mas que os medicamentos disponíveis para controlar a doença não estavam mais surtindo efeito diante da piora do quadro. 

“O medicamento que o neurologista passou para ele começou funcionando bem, mas depois o efeito começou a diminuir. Ele faz acompanhamento constante com os médicos, mas não tem mais muito o que fazer. Os remédios que os médicos receitaram são os mais avançados disponíveis, mas já não estavam fazendo efeito”.

Foi aí que, em conjunto com outros familiares, eles resolveram testar o óleo de Cannabis. Entraram em contato com a Linha Canábica, explicaram o caso e receberam orientações. 

“Logo nos primeiros dias que meu avô começou a tomar as gotas de óleo de Cannabis parecia um milagre! A tremedeira diminuiu muito, ele dormiu tranquilamente a noite, as quedas reduziram drasticamente, os quadros de perda de memória diminuíram”, conta Ana Beatriz, emocionada.

Quando o óleo de Cannabis começa a fazer efeito, isso tem impacto não apenas na atenuação dos sintomas do Parkinson, mas no quadro geral do paciente. Sua qualidade de vida como um todo melhora.

Em casa todo mundo ficou chocado com os efeitos do óleo. Até o humor dele melhorou. Como a tremedeira diminuiu drasticamente, a qualidade de vida dele melhorou e isso impactou no humor”, finaliza Ana Beatriz.

“A maconha sempre foi muito bem vista aqui em casa”: a boa relação da família com a Cannabis facilitou o tratamento

Para muitas pessoas, a primeira grande barreira a ser vencida para introduzir o tratamento com a Cannabis medicinal é o preconceito que ainda ronda a planta. Mas esse não foi um problema para a família da dona Maria Tereza, de 88 anos.

Diagnosticada com Parkinson há pouco tempo, ela não esperou os sintomas piorarem para recorrer ao tratamento com a maconha medicinal.

“A maconha sempre foi muito bem vista aqui em casa, principalmente por ela mesma, que apesar de 88 anos tem uma cabeça muito aberta! E quando chegamos no diagnóstico de Parkinson, a primeira coisa que veio à nossa cabeça foi a cannabis, especialmente pelo conhecimento que já tínhamos das muitas propriedades da plantinha do amor”, conta Patrícia, filha da dona Maria.

Maria está fazendo uso da Cannabis há pouco mais de dois meses e os resultados já estão aparecendo. 

“O tratamento está indo muito bem! Estamos vendo melhorias bastante significativas. Melhorou, por exemplo, o controle das pernas, o aumento do apetite, mas principalmente a estabilidade das mãos que a cada dia nos surpreende mais”, relata Patrícia animada.

A família da dona Maria conheceu a Linha Canábica através da neta dela, que acompanha o trabalho da Linha pelas redes sociais. “Apesar de termos pesquisado bastante, nossa escolha foi principalmente pelo trabalho sério que vocês têm e por tornar o tratamento acessível na medida do possível nesse país tão atrasado”, explica Patrícia.

🍁 Leia também: Junho vermelho: usuários de cannabis podem fazer doação de sangue?

Faça acompanhamento médico

Os relatos acima mostram como o óleo de Cannabis é poderoso e pode ajudar milhões de pacientes que enfrentam o Parkinson. Embora o preconceito em torno da maconha medicinal ainda seja grande, é esperançoso ver como cada vez mais pessoas estão se abrindo para a possibilidade de tratamentos alternativos, como o realizado com a Cannabis.

É sempre importante ressaltar que pacientes com Parkinson ou com histórico de Parkinson na família devem fazer acompanhamento médico, até mesmo para diagnosticar a doença. Quanto mais cedo ela é diagnosticada, mais cedo os sintomas podem ser tratados.

A função do óleo de Cannabis não é abolir os medicamentos disponíveis para o tratamento dessa enfermidade que ainda não tem cura, mas sim oferecer mais uma opção de ação, especialmente para os casos onde os medicamentos que existem já não estão surtindo efeito.

Gostou do artigo? Fique de olho no blog da Linha Canábica da Bá! Não esqueça de conhecer a HempVegan, cosméticos naturais e veganos com efeitos terapêuticos.


Conheça a ACOM – Associação Canábica Organizada por Mulheres

acom-proposito
Barbara Arranz Bárbara Arranz​ é biomédica e atualmente vive em Madri, capital da Espanha. Mulher, mãe e ativista, é fundadora da LinhaCanabica.com, iniciativa com foco em pesquisa e desenvolvimento de produtos veganos com infusão de cannabis. Bárbara começou a pesquisa a cannabis há 11 anos, quando seu filho Raul nasceu e foi diagnosticado com autismo. Um de seus maiores objetivos é desmistificar a maconha e levar à cannabis até a casa das pessoas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *